OTHER TYPES OF WORKS

  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 01-2021
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 01-2021-capa-new-developmentalism
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • capa-novo-desenvolvimentismo-duplicada-e-sombreada
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado

O que esperar dos candidatos?

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no facebook, 9.8.2018


O quadro das eleições presidenciais de outubro próximo está praticamente definido. O judiciário deverá ainda decidir se Lula poderá ser candidato, mas no caso de ele ser vetado, não obstante seu imenso apoio na sociedade brasileira, já sabemos que o candidato do PT será Fernando Haddad. Temos assim cinco candidatos relevantes: na centro-esquerda, Lula e Ciro Gomes, na direita, Jair Bolsonaro, na centro-direita neoliberal, Geraldo Alkmin, e sem classificação possível, Marina Silva.

O perigo grave que a eleição presidencial apresenta é o da eleição de Bolsonaro, porque ela ameaçará a democracia. Os demais candidatos são moderados. Geraldo Alkmin e Marina Silva representarão a continuidade do regime de política econômica liberal vigente no Brasil desde 1990 (com um breve intervalo em 2011-12). Podemos, portanto, estar seguros de que o país continuará na senda do liberalismo econômico, do populismo cambial (deficits em conta-corrente), da desindustrialização e da semiestagnação econômica que caracterizam a economia brasileira desde aquele ano; continuará em um caminho de juros altos e câmbio apreciado que apenas interessa aos rentistas, aos financistas, e aos interesses estrangeiros.

Representarão Ciro Gomes ou Fernando Haddad uma mudança de regime de política econômica? Praticarão eles o populismo cambial, que marcou todos os governos brasileiros nos últimos quarenta anos? Adotarão eles o populismo fiscal que caracterizou o primeiro governo Cardoso e o governo Dilma? Ou adotarão uma política macroeconômica baseada na teoria novo-desenvolvimentista que demanda responsabilidade fiscal e responsabilidade cambial? Em outras palavras, só admitirão deficits fiscais quando for preciso enfrentar uma recessão? E não admitirão deficit em conta-corrente em qualquer circunstância?

Eu conheço bem os dois políticos, e seus programas fazem essa opção que é condição para que o país supere a semiestagnação que já dura 38 anos. Logo, se um ou o outro for eleito, podemos esperar que buscarão superar a crise fiscal vigente e zerar a conta-corrente do país. Mas não posso garantir que sejam bem-sucedidos, porque é difícil manter o Estado financeiramente sólido, e mais difícil ainda manter o país como um todo sólido financeiramente. Diferentemente do populismo fiscal, sobre o qual há hoje um relativo consenso quanto ao seu caráter nocivo, o populismo cambial é algo desconhecido ou ignorado pelos economistas e políticos brasileiros, independentemente de serem liberais ou desenvolvimentistas “românticos”. Todos ainda acreditam na fábula do “crescimento com poupança externa” – uma crença que é muito cômoda para todos, mas não serve aos países que realmente se desenvolvem e reduzem sua distância em relação aos países ricos.