• 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • capa-novo-desenvolvimentismo-duplicada-e-sombreada
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 01-2021
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 01-2021-capa-new-developmentalism
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao

Nuvens negras

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 3.10.2018


Nuvens negras pairam sobre o Brasil. De repente, o Ibope e o Datafolha informam que as intenções de voto em Fernando Haddad pararam de crescer, enquanto voltavam a subir para Jair Bolsonaro. A polarização entre um candidato de centro-esquerda e um candidato fascista era algo desagradável. Mais civilizado seria a disputa eleitoral entre a centro-esquerda e a centro-direita, mas as perspectivas claramente favoreciam o candidato socialdemocrata – o que era um bom resultado. Mas agora não há mais certeza de nada. Desde a transição democrática de 1985 e a Constituição de 1988, alguns valores, principalmente a democracia e o repúdio ao racismo, haviam se tornado sagrados para os brasileiros, mas a liderança eleitoral de Bolsonaro nestas eleições colocou em dúvida essa tese. Parecia-me absurda a regressão política de eleitores educados que esse candidato representa, e, no entanto, ela voltou a ser uma possibilidade concreta.



Como explicar tal loucura política? Só o ódio pode explicá-la. O ódio ao PT, que subitamente tomou conta da classe média brasileira nas demonstrações populares de junho de 2013. O impeachment foi o primeiro resultado trágico desse ódio, a eleição de Bolsonaro poderá ser o segundo. Ao agir assim, os brasileiros estão cometendo um suicídio político.

A causa do ódio é o ressentimento. É o fato que, desde as reformas neoliberais de 1990, a economia brasileira parou de crescer. Some-se a isto o fato que, cumprindo o grande acordo político que levou à transição democrática, a Constituição de 1988 e o projeto social dos governos desde Itamar Franco até Dilma Rousseff deram prioridade aos pobres, aos negros e aos trabalhadores, deixando esquecida a classe média, e compreenderemos o ressentimento e a irracionalidade.



Isto não teria acontecido se tanto a centro-direita quanto a centro-esquerda, no governo desde 1985, não houvessem falhado em retomar o desenvolvimento econômico, mas falharam ao aceitar a narrativa neoliberal dominante no mundo rico desde 1980 e no Brasil, desde 1990. Ora, tentar distribuir renda sem realizar crescimento é politicamente inviável. Por isso venho desenvolvendo neste últimos 17 anos uma teoria que é também uma nova narrativa para o desenvolvimento do Brasil – o novo desenvolvimentismo. Que Ciro Gomes e Fernando Haddad incluíram em seus programas de governo. Será que os eleitores acordarão e elegerão um deles? Vamos ver.