PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Qual oposição?

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 26.7.2017


In this note, the author summarizes his critiques to the Brazilian government, which was born from a political coup, and the economic elites that support it. But he is also critical of a radical discourse on the part of the left, which is incompatible with the nation and the democracy.

Estou preocupado com a radicalização do discurso da esquerda brasileira desde o impeachment.
Sim, estamos na oposição ao governo brasileiro desde que ele foi instalado através de um golpe parlamentar.
Sim, somos críticos das elites econômicas e da grande mídia brasileira que apoiaram esse golpe tramado por uma quadrilha de políticos oportunistas.
Sim, criticamos as reformas neoliberais que estão sendo adotadas pelo parlamento, as quais colocam todo o peso do necessário ajuste econômico que o país precisa nos trabalhadores e nos pobres.
Sim, as elites econômicas brasileiras conduzem uma luta de classes de cima para baixo desde que adotaram o discurso neoliberal produzido por seus economistas e demais intelectuais orgânicos.
Sim, em 2014 a nova direita brasileira inaugurou um discurso de ódio.
Sim, é importante que nós partilhemos essas ideias e essa indignação enquanto cidadãos democráticos, desenvolvimentistas e de centro-esquerda. Para nós a democracia é um bem inegociável; o desenvolvimento, um objetivo que só um governo desenvolvimentista e competente será capaz de assegurar; e a diminuição das desigualdades, o grande problema brasileiro que depende não apenas de uma política deliberada de diminuição da desigualdade, mas também do desenvolvimento econômico.
Mas vejo com preocupação que o ódio tomou  conta também  da esquerda desde o impeachment. Ora, esse discurso é incompatível com a democracia e a construção da nação. Nele, não é apenas o governo Temer, mas todas as elites econômicas e a grande mídia que aparecem como um bando de criminosos voltados para a exploração dos trabalhadores. Isto não é razoável. Nas democracias existem sempre uma direita e uma esquerda, desenvolvimentistas e dependentistas, mas é essencial que se respeitem e dialoguem.
É também preocupante a forma pela qual o Judiciário vem sendo tratado. Sim, o juiz Sérgio Moro e sua força tarefa de procuradores da República têm agido de forma parcial contra o ex-presidente Lula e o PT, e vem adotando práticas, como as conduções coercitivas de pessoas para depor, as prisões provisórias sem motivos apoiados na lei, e o uso de delações e seu vazamento, para desmoralizar políticos e empresários. Mas isto não justifica ver todo o Judiciário dessa maneira.
Sim, devemos estar na oposição a tudo isso, mas essa oposição deve ser democrática. A democracia não foi um projeto das elites, mas do povo brasileiro; o apoio das elites econômicas à transição democrática (1964-1984) só ocorreu no final de um longo período de lutas populares. Conquistamos a democracia em 1985 e uma Constituição democrática em 1988. Em seguida, iniciamos um processo de diminuição das desigualdades, que ganhou força com a eleição de um presidente de esquerda em 2002.
A direita respeitou a democracia até 2016, quando, em face à crise profunda do governo Dilma Rousseff, a traiu. Não implantou, então, um novo regime autoritário, mas se sentiu com forças para impor ao país um liberalismo econômico que, além de injusto e antidemocrático, é ineficaz em levar o Brasil a voltar a se desenvolver. A esquerda pode e deve protestar contra isso, mas não deve cair no mesmo erro. Nosso discurso deve ser indignado, mas não deve ser radical. Ao não deixar espaço para o acordo, um discurso radical leva o país a um impasse e arrisca a democracia.

  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br