The Political Construction of Brazil

2017. An encompassing analysis of Brazil’s society, economy and politics since the Independence. A national-dependent interpretation. Three historical cycles of the relation state-society: State and Territorial Integration Cycle (1822-1929), Nation and Development Cycle (1930-1977) and Democracy and Social Justice Cycle (1977-2010). Crisis since then. (Book: Lynne Rienner Publishers)

Mais informações

Macroeconomia Desenvolvimentista

2016. With José Luis Oreiro e Nelson Marconi. Our more complete analysis of Developmental Macroeconomics – the central economic theory within New Developmentalism. (book)

Mais informações

Reforma política

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 1.4.2017

A crise política que ameaça a reeleição dos atuais deputados e senadores abriu espaço para a tão desejada reforma política. Desde 1960, quando soube qual era o modelo eleitoral alemão, o sistema distrital-misto, eu defendo firmemente esse sistema, que é um compromisso entre dois sistemas opostos – o majoritário ou distrital e o proporcional. Na Alemanha o eleitor vota duas vezes: no candidato que prefere no distrito, e na lista fechada do partido político. É o sistema ideal, porque reduz o custo das campanhas eleitorais; porque combina o caráter mais democrático do voto proporcional, com o voto mais responsável do eleitor em um candidato de seu distrito; e porque fortalece os partidos políticos.

A ideia da lista fechada foi lembrada e está sendo condenada porque salvará uma parte dos políticos. Não é assim que se melhoram as instituições de um país. Já está claro para todos que, sem terem suas reeleições ameaçadas, os deputados e senadores não fazem a reforma necessária. Agora existe uma oportunidade para udança para um sistema muito melhor. Vamos tratar de aproveitá-la, ao invés de nos perdermos no moralismo tolo, “a qualquer custo”, que critiquei no meu último artigo na Folha, que reproduzi aqui no Facebook.


Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com