The Political Construction of Brazil

2017. An encompassing analysis of Brazil’s society, economy and politics since the Independence. A national-dependent interpretation. Three historical cycles of the relation state-society: State and Territorial Integration Cycle (1822-1929), Nation and Development Cycle (1930-1977) and Democracy and Social Justice Cycle (1977-2010). Crisis since then. (Book: Lynne Rienner Publishers)

Mais informações

Macroeconomia Desenvolvimentista

2016. With José Luis Oreiro e Nelson Marconi. Our more complete analysis of Developmental Macroeconomics – the central economic theory within New Developmentalism. (book)

Mais informações

Populismo Econômico (coletânea)

Luiz Carlos Bresser-Pereira, organizador

São Paulo: Nobel, 1991.


Edited book putting together papers on economic populism. Classical papers by Canitrot, O'Donnell and Alejandro. Among recent papers, see particularly Jeffrey Sachs' paper.

Populismo e ortodoxia econômica se alternam irracionalmente, no Brasil e mais amplamente na América Latina, Os artigos deste livro, escritos por alguns dos mais importantes economistas que têm examinado a crise da América Latina, definem e analisam esse fenômeno. O populismo econômico esteve presente no Brasil mesmo no final dos anos 80, em pleno período autoritário, e foi seguido de um forte ajuste ortodoxo, que desembocou em novo surto populista com a redemocratização. Assim, o clássico "ciclo populista" continua vigente no Brasil, constituindo-se em uma das causas fundamentais da crise econômica brasileira. Não é, entretanto, a única causa, nem necessariamente a principal, como dois dos artigos presentes neste livro assinalam.

O populismo econômico está baseado em um distributivismo ingênuo e na indisciplina fiscal. Acredita que o desenvolvimento econômico e a distribuição de renda são objetivos que podem ser alcançados com relativa facilidade através, de um lado, do aumento dos investimentos e dos gastos sociais do Estado, e, de outro, do aumento dos salários. O resultado é o déficit público, a crise fiscal e a inflação, senão a hiperinflação.

Sumário

Prefácio
1. A experiência populista de redistribuição de renda
Adolfo Canitrot

2. Estado e alianças de classes na Argentina, 1956-1976
Guillermo O’Donnell

3. Planos de estabilização no Cone Sul
Carlos E. Díaz-Alejandro

4. Populismo e política econômica no Brasil
Luiz Carlos Bresser-Pereira

5. Conflito social e políticas populistas na América Latina
Jeffrey D. Sachs

6. O populismo macroeconômico na América Latina
Rudiger Dornbusch e Sebastian Edwards

7. Populismo econômico versus Keynes: a reinterpretação do déficit público na América Latina
Luiz Carlos Bresser-Pereira e Fernando Dall’Acqua

8. Populismo, gastança e redistribuição
Eliana Cardoso e Ann Helwege

9. Origens e desenvolvimento do populismo
Gilmar Masiero

Prefácio

O populismo é um fenômeno político amplamente estudado na América Latina. O populismo econômico, entretanto, só recentemente vem merecendo atenção. Neste livro reúno três artigos "clássicos", que examinaram o populismo econômico originalmente, nos anos 70, e uma série de artigos recentes que examinam a crise econômica da América Latina dos anos 80 a partir da análise das políticas econômicas populistas.
No campo estrito da ciência política, podemos entender o populismo como uma prática e uma ideologia que procura colocar o povo, em vez do indivíduo ou das classes sociais, como o ator fundamental da história. Nesse sentido amplo e ambíguo, o populismo se contrapõe tanto às filosofias políticas jusnaturalistas, que colocam o indivíduo e o contrato social na base da sociedade política, quanto às filosofias políticas históricas e sociais, que colocam os costumes e as classes sociais na base do Estado. O populismo é uma fórmula política "cuja fonte principal de inspiração e termo constante de referência


Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com