The Political Construction of Brazil

2017. An encompassing analysis of Brazil’s society, economy and politics since the Independence. A national-dependent interpretation. Three historical cycles of the relation state-society: State and Territorial Integration Cycle (1822-1929), Nation and Development Cycle (1930-1977) and Democracy and Social Justice Cycle (1977-2010). Crisis since then. (Book: Lynne Rienner Publishers)

Mais informações

Macroeconomia Desenvolvimentista

2016. With José Luis Oreiro e Nelson Marconi. Our more complete analysis of Developmental Macroeconomics – the central economic theory within New Developmentalism. (book)

Mais informações

Balada, bebida e put...

Gilberto Dimenstein

Folha de S.Paulo, 26.6.2005

Na semana passada, alguns estudantes da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo provocaram polêmica nacional com a publicação de comentários do seguinte tipo: os negros deveriam agradecer a escravidão, sem a qual ainda estariam na África. Homossexualismo é doença, e o vírus da Aids a cura.

 

Tais tipos de comentário, publicados num fanzine, foram encarados por muitos como brincadeira. Não é.

 

É sinal de vírus do cinismo que se espalha entre jovens, propagado num ambiente em que a política é sinônimo de bandalheira. Aumentar essa tendência talvez seja uma das piores conseqüências da onda de denúncias contra o PT, até pouco tempo ancorado na bandeira da ética.

A repercussão aos comentários não se deu apenas pelas supostas piadas, mas, em especial, por causa de seus autores e do local em que estudam. Eles estão na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, onde se formaram 11 presidentes da República e se tramaram a Abolição da Escravatura, a Proclamação da República, a resistência ao Estado Novo, de Getúlio Vargas, e ao regime militar. Ali, estudaram, por exemplo, Ruy Barbosa, Castro Alves, Monteiro Lobato e José Bonifácio de Andrada e Silva. Nenhuma instituição acadêmica teve tanta influência na história do Brasil.

 

O fanzine foi elaborado por um grupo batizado de Escória, que, no ano passado, venceu a eleição para o Centro Acadêmico XI de Agosto, já presidido por Ulyssses Guimarães. O slogan da Escória, na eleição, era "balada, bebida e putaria". Assumidamente, trocavam votos por bebida. Essa brincadeira é mais séria do que se imagina.

A seriedade se vê numa recente pesquisa da MTV, realizada pelo Datafolha, na qual se mostrou que os jovens se percebem como vaidosos, consumistas, acomodados e individualistas. Desacreditando em ações coletivas, a imensa maioria deles acha que os políticos, independentemente de partidos, são iguais e incorrigíveis.

 

Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com