The Political Construction of Brazil

2017. An encompassing analysis of Brazil’s society, economy and politics since the Independence. A national-dependent interpretation. Three historical cycles of the relation state-society: State and Territorial Integration Cycle (1822-1929), Nation and Development Cycle (1930-1977) and Democracy and Social Justice Cycle (1977-2010). Crisis since then. (Book: Lynne Rienner Publishers)

Mais informações

Macroeconomia Desenvolvimentista

2016. With José Luis Oreiro e Nelson Marconi. Our more complete analysis of Developmental Macroeconomics – the central economic theory within New Developmentalism. (book)

Mais informações

Mediocridade

Roberto Mangabeira Unger

Folha de S.Paulo, 26.8.2003

A situação do Brasil parece ruim. Duas semanas viajando e discutindo pelo país afora convenceram-me de que ela é muito pior do que parece.

Visto do ângulo de sua vida econômica, o país marcha (no melhor caso) para a perpetuação da mediocridade: crescimento baixo e frágil, gestos inconseqüentes de política social, abdicação nacional premiada com respeitabilidade internacional. Visto da perspectiva de sua vida republicana, o Brasil regride: imprensa comprada, partidos suplicantes, conchavos entre os poderosos e os endinheirados, silêncio do direito diante do poder.

O tom do regime é o de uma pequena burguesia entusiasmada com os confortos mais vulgares -desde os robes de algodão egípcio até as comilanças intermináveis. As fisionomias desfibradas e sorridentes, as figuras fofas e gozadoras, pródigas em brincadeiras, bebedeiras e choradeiras, dadas a comer, a viajar e a falar, mas sem apetência para fazer, construir e inventar, a frouxidão generalizada nas mentes e nos corpos encarnam deboche que o país prefere desconhecer. Talvez porque, ao se identificar com o presidente, a população ainda não tenha recolhido a lição do provérbio turco: "Quando o machado entrou na floresta, as árvores disseram: "O cabo desse machado é um de nós''".

O chefe de Estado encena papel gasto: o do humanizador do inevitável -preocupado com os pobres, confiável aos ricos, e disposto a sacrificar a classe média para demonstrar tanto a preocupação quanto a confiabilidade. Papel a que a mídia brasileira, quase toda ela quebrada, dá cobertura, com entrevistas bajuladoras do presidente, transmitidas em veículos agraciados com dinheiro público.

Não seria possível cair tão baixo se o pensamento brasileiro não houvesse renunciado à tarefa de repensar as possibilidades do país. Se as vozes mais influentes não sustentassem todos os dias a tese absurda (e jamais posta em prática em qualquer lugar) de que é preciso ser Hoover para poder ser Roosevelt. E se os que ocupam posições de prol em todos os departamentos da vida nacional não se sentissem tão desorientados, impotentes e pequenos. Que conclusões devemos depreender desse desastre, que é moral e intelectual antes de ser político ou econômico? A primeira conclusão é que o PT se está revelando um desvio na história do Brasil. Veio, com a ajuda da igreja e da intelectualidade, para substituir o velho trabalhismo brasileiro. A substituição não presta: acabou em rendição. É preciso voltar atrás e retomar o fio da história brasileira ali onde ele foi rompido.

A segunda conclusão é que a degradação que vivemos condiz com apenas metade da realidade do Brasil de hoje: a metade podre. A outra metade é um país que transborda em formas desencontradas e reprimidas de energia e de engenho.

Faltam agente e instrumento para impor este Brasil àquele. Os partidos estão desacreditados. Os políticos conhecidos nacionalmente estão acumpliciados com o mal que nos aflige. Eis uma situação como aquela que os matemáticos chamam de caótica: superficialmente estável, porém sujeita a reversão repentina e radical. Só há um jeito de provocar tal reversão: lutar contra, até que outro rumo se patenteie e seus agentes se identifiquem. Até que os brasileiros sintamos vergonha de esperar tão pouco do Brasil.

Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com